G P S D A N E T: PORQUE SÓ EXISTE UM CAMINHO A SEGUIR, JESUS CRISTO.
Sola gratia, sola fide, solus Christus, sola scriptura, soli Deo Gloria.

Sou Cristão: Evangélico, Puritano, Reformado - (A Doutrina que sigo é a SÃ, que vem de Jesus Cristo e é interpretada pelo Apóstolo Paulo, Agostinho e João Calvino):

SALMOS 41.12 Quanto a mim, tu me sustentas na minha sinceridade, e me puseste diante da tua face para sempre.

quinta-feira, 29 de novembro de 2012

DEUS ACALMA MINHA ALMA!


DIZ O SALMO 131
1 Senhor, o meu coração não é soberbo, nem os meus olhos são altivos; não me ocupo de assuntos grandes e maravilhosos demais para mim.
2 Pelo contrário, tenho feito acalmar e sossegar a minha alma; qual criança desmamada sobre o seio de sua mãe, qual criança desmamada está a minha alma para comigo.
3 Espera, ó Israel, no Senhor, desde agora e para sempre.


A Bíblia diz no livro de Jeremias (17.9) que enganoso e perverso é o coração do homem, quando a Bíblia fala de coração, está se referindo as nossas vontades mais profundas que encontram-se na nossa alma, as quais somente Deus pode esquadrinhar.

Quando Davi ao escrever o salmo 131, disse que tinha acalmado e sossegado sua alma, significa que os seus desejos mais íntimos estavam adormecidos. Aqueles desejos que vem do engano de um coração corrompido pela vontades mundanas.

Temos a partir da fé e da busca incessante a Deus, imprimir em nossa alma, em nosso coração, somente a vontade de Deus para nós, Ele sabe o que é melhor e correto, Ele nos ensina através da sua palavra os caminhos da retidão moral bíblica, que são muito diferentes daquela suposta moral relativista que existe nesse mundo.

Deus conhece as nossas fraquezas, mas está disposto a nos transformar, caso nós reconheçamos que somos fracos, pecadores e nos arrependamos das nossas atitudes carnais. Assim Deus fará todas as transformações necessárias no nosso caráter, através de seu Espírito Santo, para nos transformar num canal de bênçãos, usado por Ele, com a força que somente vem da vitória de Jesus na cruz do calvário.

Vamos pedir como o salmista Davi a Deus que Ele acalme e sossegue nossa alma, com o seu amor ágape. (por liroba)

terça-feira, 27 de novembro de 2012

CONFERÊNCIA NA FACULDADE MACKENZIE - CRISTIANISMO E MODERNIDADE - PALESTRA PRELETOR - PAUL WASHER



A VERDADE QUE MUITOS NÃO QUEREM VER É AQUI BRILHANTEMENTE EXPLICADA E DESVENDADA.

domingo, 25 de novembro de 2012

terça-feira, 20 de novembro de 2012

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

“ESSA GUERRA NÃO É VOSSA, MAS DE DEUS”:


Reflexão inspirada no texto de 2ª Crônicas capítulo 20 .

Existia um rei em Judá (Israel) que era fiel a Deus, um dia um enorme exército inimigo veio contra a ele , a Bíblia diz “vem contra ti uma grande multidão dalém do mar da síria.” (2Crônicas 20.2)

Vendo a real situação de seu exército e sendo humilde tal rei, pediu ajuda a Deus, “Temeu Josafá (o rei) , e pôs-se a buscar ao Senhor..” (2Crônicas 20.03).

Vendo a fé do rei e o esforço do povo e seguir seu exemplo, Deus responde o seguinte: “e disse Deus: Dai ouvidos todo o Judá, e vós, moradores de Jerusalém, e tu, ó rei Josafá. Assim vos diz o Senhor: Não temais, nem vos assusteis por causa desta grande multidão, PORQUE A GUERRA NÃO É VOSSA, MAS DE DEUS.” (2Crônicas 20.15).

O fim da história o leitor terá que ver no capítulo 20 de 2ª Crônicas, tá bom!.

Agora vamos aprender com a Bíblia, veja na história do reinado de Josafá, temos um rei que obedece a Deus e que de inopino se vê encurralado por um exército tão grande que poderia destruir seu reino, mas o que Ele fez, buscou a Deus, reconheceu sua fraqueza, foi humilde e obteve resposta, pois, realmente acabaram vencendo a guerra sem sequer lutar, apenas foram no acampamento inimigo buscar os despojos.

Agora eu pergunto a você caro leitor, o que você faz? Quando a situação aperta, a aflição aumenta, a oposição pressiona. Você, murmura, reclama, fica “bravo com Deus”, blasfema, peca, etc.. OU.. você faz como o rei Josafá, que admitiu sua fraqueza diante da situação e buscou a ajuda daquele que pode vencer qualquer batalha, pois é o Senhor dos Exércitos, o nosso único Deus.

Amigos as lutas sempre virão na nossa vida, guerras que não temos condições de enfrentá-las sozinhos, pois, sem Deus podemos ter até pequenas vitórias em algumas batalhas, mas a guerra principal já está perdida.

Voltemos a Deus, através do nosso Senhor Jesus Cristo, busquemos sua proteção, ensinamento, disciplina, amor e discernimento, que ai seremos sempre mais do que vencedores, como o apóstolo Paulo diz em Romanos 8. 37 - Mas em todas estas coisas somos mais que vencedores, por aquele que nos amou. (JESUS CRISTO DE NAZARÉ). – por liroba.

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

SÉRIE DE PEQUENOS VÍDEOS DE ESTUDOS DEVOCIONAIS SOBRE A GLÓRIA DE DEUS, POR JOHN PIPER:

01/05- PORQUE DEUS NOS CRIOU?


02/05 - COMO FALHAMOS EM VIVER SOMENTE PARA A GLÓRIA DE DEUS?


03/05 - PORQUE JESUS VEIO AO MUNDO?


04/05 - COMO É TER UMA VIDA, QUE CRISTO RESGATOU.


05/05 - A CONSUMAÇÃO DE TODAS AS COISAS - TUDO FAZ PARTE DO PLANO DE DEUS:

domingo, 11 de novembro de 2012

VEJA A DIFERENÇA ENTRE pASTOR "profissional" E O SERVO DE DEUS QUE APENAS EXPOE O EVANGELHO DE CRISTO:


AQUI O PASTOR PROFISSIONAL - AQUELE QUE PREGA A TEOLOGIA DA PROSPERIDADE FINANCEIRA:
Seus movimentos são fria e milimetricamente calculados. Caminhar lento e passos firmes. Olhar penetrante, persuasivo, e fala convincente, com alternâncias de tonalidade e volume. Um levantar de mãos aqui, um soco no ar ali, e desse modo ele vai conduzindo a sua reunião "profética". Nada disso, no entanto, se dá antes que o grupo de louvor engendre a atmosfera emocional propícia, que tenha o condão de fazer fluir lágrimas pelo rosto dos ouvintes ou, ao revés, os conduza à visualização de uma situação de guerra, em marcha, muito bem delineada pelas películas retumbantes da bateria e pelos gestos efusivos das dançarinas. Ato dois: os fieis se encontram à sua mercê. Hipnotizados, anestesiados pela "unção" que parece emanar da epiderme do pregador. Transpiração, calafrios, choro e rajadas de línguas permeiam o ambiente. Até que, sob a orientação do pseudo-mensageiro, quão logo se dispersa a “atmosfera espiritual”, apanham a Escritura, abrem-na e leem um único versículo - quando não são desencorajados a abri-la. Tomam assento. Inicia-se a interminável digressão do pregador, sob um tema sempre curioso, intrigante ou cabalístico, que introduz a aura gnóstica de revelação só a ele acessível, por óbvio. O texto é o ponto de partida, mas não o de chegada; aponta a direção, mas interessam mais os desvios do caminho. Ao final do sermão, exclamam um e outro: "por dezenas de vezes li tal texto e nunca notei o aludido pelo pregador. Verdadeiramente ele é um homem ‘ungido’”! Não me refiro a Jonas Nightengale, o ficto evangelista protagonizado por Steve Martin em Fé demais não cheira bem, mas à figura do pastor — neopentecostal — de nosso tempo.


AQUI OS ESCRAVOS DE CRISTO QUE APENAS QUEREM EXPOR O VERDADEIRO EVANGELHO:
Por conseguinte, apelo: pastor, exponha a Cristo crucificado, e não suas técnicas persuasivas de manipulação de massas. Já foi dito que o púlpito não é um local para discurso acerca de preferências e opiniões pessoais, para pirotecnias ou extravasar de megalomanias, mas para a fiel exposição da Sagrada Escritura. Utilizar-se do momento de maior preeminência durante um culto público para turvar mais ainda a visão daqueles que já andam a tatear em um contexto cristão de absoluto analfabetismo bíblico é um atentado contra a obra do Senhor. A pregação do evangelho, no dizer de Calvino, é centro da vida e obra da igreja. Tal momento não serve de palanque para teatralidade ou demonstração de uma espiritualidade que mais estatui um sistema de castas, à semelhança do existente na Igreja Romana, levando as ovelhas a vislumbrar um “nível de intimidade com Deus” ao qual elas nunca chegarão. Entenda que os pregadores de maior destaque na história da igreja foram aqueles que não se apegaram a nenhuma forma de exibicionismo ou a subterfúgios psicológicos, antes se esvaziaram até que nada mais de si restasse. Compreenderam que, ao se apequenar, pela graça de Deus, poderiam se fazer hábeis instrumentos nas mãos do Senhor. Compreenderam que ao Senhor pertence a glória, no diapasão do dizer de C. H. Spurgeon, ao exprimir seu anseio como cooperador do Reino, nas seguintes palavras: “que eu seja sepultado em algum lugar silencioso, onde as folhas caem e os pássaros brincam e onde as gotas de orvalho brilham nos raios de sol; e se acaso tenha que ser escrito algo sobre mim, que seja o seguinte: "aqui jaz o corpo de um "João Ninguém", esperando pelo surgimento de seu Senhor e Salvador, Jesus Cristo". É necessário que Ele cresça e nós diminuamos (Jo 3:30).

Paulo, o abnegado apóstolo, ao pregar aos cristãos de Corinto deixou-lhes claro que não fez sobressaltarem os seus dons naturais como se o evangelho de Jesus se resumisse à ostentação de linguagem ou de sabedoria (1 Co 2:1), mas que não teve outro objetivo a não ser expor a Cristo e este crucificado (1 Co 2:2). O apóstolo não somente entendia o que estritamente lhe competia anunciar, como despenseiro que da obra de Deus, contudo também se encontrava imbuído até as entranhas por um santo temor por entender que sua incumbência não estava calcada em mérito pessoal, e sim na transbordante misericórdia proveniente de Deus (2 Co 4:1). A mensagem do evangelho não demanda muletas para que alcance plena eficácia, métodos mirabolantes que o façam mais atrativo para quem deseja uma religião que o faça lembrar-se de tudo que o agrada no mundo. E nesse itinerário tudo é permitido, sob a bandeira do pragmatismo: o importante são os resultados, não importando os meios.

O evangelho autêntico continua a ser o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê. O pregador não necessita de lançar mão de outro meio a não ser a fiel exposição da Escritura. Ora, penso que se o evangelho se constituísse em algo alcançável mediante esforços intelectuais ou cognitivos, seria perfeitamente lícito ao homem, além de gloriar-se por seus próprios méritos, entupi-lo com toda a sorte de mecanismos psicológicos para arrebanhar uma gama de simpatizantes que sequer cogitam o porquê de poderem se declarar cristãos e de serem verdadeiramente salvos. Não é este, porém, o evangelho de nosso Senhor Jesus Cristo, o qual não atribui glória a homem algum, mas confere única e exclusivamente a Si mesmo, o Senhor da Glória, todo o louvor, majestade, domínio, aclamação, honra pelos séculos dos séculos. Não a nós Senhor, não a nós, mas ao teu nome dá glória, por amor da tua misericórdia e fidelidade (Sl 115:1). "Sola scriptura" (Retirado do site: Pérolas do Evangelho)

Minha opinião: Vejam a foto que coloquei nessa postagem, infelizmente é a pura verdade, hoje em dia, as pessoas que ainda não foram convertidas pelo Espírito Santo de Deus, buscam um "evangelho" que corresponda com sua vaidades, ambições e desejos e por isso, vão as igrejas que falem a "sua língua". 

É fato que o evangelho de Cristo, é de negação, renuncia e humildade, para através do amor evangelizarmos as outras pessoas. Deus nos quer prósperos sim, é claro, mas em primeiro lugar em nosso coração, com paz, amor, serenidade, confiança, fé, coragem, perseverança e DESPRENDIMENTO MATERIAL. Depois, que tudo isso acontece Deus também irá ver o nosso lado financeiro, mas nesse ponto, O DINHEIRO NÃO TERÁ MAIS VALOR NENHUM NA NOSSA VIDA e todo o dinheiro que ganharmos será em primeiro lugar utilizado para as boas obras, pois, a Bíblia diz que a fé sem obras é morta. O caminho da cruz é de aflições e provas que levam ao aperfeiçoamento, ou seja, nos tornarmos um pequeno Cristo. 

Fico triste com a existência de pastores profissionais, mas isso faz parte do plano de Deus, pois, Paulo já disse em 2 Coríntios 11. 13 - Pois os tais são falsos apóstolos, obreiros fraudulentos, disfarçando-se em apóstolos de Cristo. Existiam na época de Paulo e existem hoje, o importante é que Deus esta no controle de tudo. (por liroba).

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

DEVEMOS NOS ENTREGAR TOTALMENTE A DEUS.



A devoção à Deus com inteireza de coração e com quebrantamento de alma e o princípio de um caminho que nos levará a entrega completa do nosso “eu” a Deus. Deus nos quer por inteiro e não dividido entre as nossas vontades e fraquezas e a nossa fé Nele.

A entrega vem como o exercício da Fé, a Bíblia nos diz, no Salmo 37. 5 - Entrega o teu caminho ao Senhor; confia Nele, e Ele tudo fará.

Entregar o teu caminho significa tudo, a sua vida, os seus sonhos, os seus desejos, a tua família, tudo mesmo. Através da fé e da devoção, feitas em oração e súplicas, todos os dias, pois, assim vamos aumentando nossa comunhão com Deus e vamos sendo moldados na alma para vivermos a vida que Ele deseja para nós.

O puritano Presbiteriano, Jonathan Edwards, disse o seguinte, sobre aqueles que se entregam completamente a Deus: “podem [estar] certos de seu amor e favor, certos de sua direção em todos os seus caminhos, certos de que nenhum mal sobrevirá sobre você, certo de que o que quer que sobrevir sobre você é para o seu bem”. Tudo isso irá segundo ele nos capacitar a “repousar e descansar calma e seguramente no meio das tempestades e tormentas, sem temor algum, sabendo que você está nas mãos de Deus onde nada pode lhe machucar.”

Deus protege àqueles que são realmente seus, e segundo o Salmo 91. 4 – Ele te cobrirá com as suas penas, e debaixo das suas asas estarás seguro;

Porque será que às vezes é tão difícil para nós se entregar a Deus e confiar plenamente, seria a nossa fé, seria o nosso pecado, seria o mundo que nos rodeia e contamina, não sei, só sei que buscando a Deus todos os dias em oração, como amor, arrependimento e gratidão, Ele se manifesta e nos prepara, nos ensina, nos ama e cada dia mais a nossa confiança no nosso “aba pai” (paizinho), aumentará. Que Deus continue agindo nas nossas vidas, amém! LEIAM O SALMO 121 - LINK - SL.121.  (por liroba).

Veja quem foi Jonathan Edwards: 
Jonathan Edwards (5 de outubro de 1703 - 22 de março de 1758) foi pregador congregacional,teólogo calvinista e missionário aos índios americanos, e é considerado um dos maiores filósofosnorte-Americano.
O trabalho teológico de Edwards é muito abrangente, com sua defesa da teologia reformada, a metafísica do determinismo teológico, e a herança puritana. Edwards teve um papel fundamental na formação do primeiro Grande Despertar e supervisionou alguns dos primeiros fogos de avivamento em 1733-1735 na sua igreja em Northampton, Massachusetts. O sermão de Edwards "Pecadores nas Mãos de um Deus Irado", é considerado um clássico da literatura americana inicial, o que ele fez durante outra onda de renascimento em 1741, após a visita de George Whitefield as Treze Colônias. (fonte Wikipédia - link: Jonathan Edwards Wikipédia)

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

ASSISTA ESSE TRISTE TESTEMUNHO - EM TUDO DAI GRAÇAS, SEMPRE!! (As vezes nós temos a audácia de reclamar com Deus quando acontece coisas que nos desagradam, Deus nos perdoe!)



O filho desse casal tem problemas mentais (autismo) e de crescimento. A Esposa está com câncer nível quatro, acredito em estágio muito avançado. E eles estão firmes na Rocha que é Jesus, dando graças a Deus  por estarem sendo amparandos, fortalecidos e amados por Deus. Vamos agradecer a Deus pela vida que  Ele nos proporciona. 

sexta-feira, 2 de novembro de 2012

NOSSO DEUS NÃO É DEUS DOS MORTOS E SIM DOS VIVOS!


Hoje, salvo exceções, muitos vão aos cemitérios, não para simplesmente cuidar do local onde os restos carnais do seus parentes, foram enterrados, infelizmente muitas pessoas, vão ao cemitério para de certa forma cultuar o seu morto.  Cuidado apenas devemos prestar culto a Deus, ok!

A morte é triste claro que sim, pois, iremos nos afastar daqueles que amamos e convivemos, mas como disse o Apóstolo Paulo na sua carta aos Filipenses capitulo 1. 21, Porque para mim o viver é Cristo, e o morrer é lucro. O que ele quer dizer é que para aquele que morre em Cristo, ou seja, verdadeiramente convertido em uma nova criatura, que busca a santificação e com fé e perseverança está trilhando o caminho que Jesus nos abriu, NÃO AMA ESSE MUNDO E O SEU MAIOR DESEJO É UM DIA PODER ESTAR COM DEUS NA VIDA ETERNA. Pois, essa pessoa sabe que sua alma e seu Espírito são eternos, isso, repito, somente em Cristo Jesus.

Deixo a critério dos leitores interpretarem o que acontece, segundo a Bíblia, com aqueles que morrem em pecado e longe dos caminhos da cruz, se enganando com religiosidade, dogmas e tradições.

Jesus Cristo diz claramente nos evangelhos, que o nosso Deus é Deus de vivos e não de mortos, portanto, para aqueles que crêem nisso a morte, em Cristo Jesus é um feliz passo para a nossa verdadeira vida, aquela para qual Deus nos preparou durante toda a nossa carreira cristã, ou seja, a vida eterna , nas Regiões Celestes. Para mim também o viver é Cristo e o morrer é ganho. E para você? (por liroba)

"Eu sou o Deus de Abraão, o Deus de Isaque, e o Deus de Jacó? Ora, Deus não é Deus dos mortos, mas dos vivos."  (Mateus 22 : 32)

"Ora, Deus não é de mortos, mas sim, é Deus de vivos. Por isso vós errais muito."
 (Marcos 12 : 27)

"Ora, Deus não é Deus de mortos, mas de vivos; porque para ele vivem todos."
 (Lucas 20 : 38)